segunda-feira, janeiro 25, 2010

O caso Robinho

O acerto entre Manchester City e Santos parece questão de tempo. Robinho está a um passo de retornar ao seu clube de formação. Fala-se em empréstimo de seis meses, com possibilidade de extensão, caso o Peixe chegue à final da Copa do Brasil, que neste ano ocorre depois da Copa do Mundo.

Não há dúvidas de que a melhor coisa que Robinho faz é voltar ao Brasil. Aqui ele terá oportunidades e carinho. Aqui ele será titular e bajulado. Aqui ele reencontrará seu futebol.

No entanto há um contraponto nesta história toda: o profissionalismo do atleta.

Sua saída do Santos foi conturbada, sua saída do Real Madrid foi forçada, e agora no City a dose se repete. Embora no primeiro caso a situação tenha sido um pouco diferente, nos times de Madri e de Manchester, Robinho recebeu um chá de banco - merecidamente, diga-se -, e tal qual um bebê mimado, fez biquinho, ficou emburrado e pediu para sair.

Faltam a ele humildade e pé no chão para reconhecer que é preciso pensar duas vezes antes de tomar certas decisões que dizem respeito à carreira de um jogador profissional. Quem pensará duas vezes a partir de agora serão os grandes clubes da Europa, antes de contratá-lo.

Neymar e Paulo Henrique Ganso, os atuais Meninos da Vila, devem mirar-se em ídolos como o veterano Giovanni, por exemplo. Pois extra-campo Robinho não é o melhor a ser seguido.

Texto publicado em Goal.com/br.

Um comentário:

Leandro disse...

só love, só looove... só love, só looove...