segunda-feira, agosto 16, 2010

United e o jogo de um time só

Fletcher e Scholes são pilares de sustentação da minha tese de que não necessariamente uma dupla de volantes precisa ser formada pelos chamados primeiro e segundo volante. É simples: quando um sobe, o outro guarda a posição, e vice-versa.

Na vitória por 3 a 0 sobre o Newcastle, nesta segunda-feira, o United adotou seu esquema tático rotineiro, o 4-4-2 em linha, com Valencia e Nani nas asas do meio-campo. Foi pelas beiradas, aliás, que os anfitriões criaram um alto volume, em especial pelo lado esquerdo, com as chegadas de Evra e as jogadas do camisa 17.



Na frente, Wayne Rooney se comportou mais como um atacante de movimentação, que buscava as tabelas e triangulações com os extremos e os volantes, do que como homem de referência. Embora também se deslocasse bastante, principalmente na etapa final, coube este papel ao limitado Berbatov, autor do primeiro gol aos 33 minutos do primeiro tempo.

A estratégia de Ferguson foi baseada no adiantamento das duas linhas para manter a bola no campo ofensivo e pressionar o adversário nos raros momentos em que estava sem ela. Impressionante como deu certo. Na casa dos 30 minutos da primeira etapa, por exemplo, a posse dos Red Devils chegou a 73%, noves fora que a esmagadora maioria dos rebotes ficavam com os atletas de vermelho. Foi o famoso jogo de um time só.

2 comentários:

Oemesonam disse...

VEJA OS GOLS DA VITÓRIA DO MANCHESTER UNITED E DO BAYERN DE MUNIQUE, HOJE !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! http://loucurapelofut.blogspot.com/

ABRAÇO !!!!!!!!!!!!

beto_mg dicas de futebol disse...

Belo post, muito interessante, sempre acompanho suas analies.
Valeu.