quinta-feira, maio 08, 2014

Cruzeiro precisa se impor nas Américas

A notícia ruim foi não ter feito gol no Nuevo Gasómetro. Foi a derrota por 1 a 0. No mata-mata, você sabe, gol fora de casa é meio caminho andado. A boa notícia é que o San Lorenzo não é nenhum Real Madrid no contra ataque, e é provável que Fábio não seja vazado no jogo do Mineirão. Ou seja, um 2 a 0 em cima do bom mas nem tanto assim time argentino é bem possível.

Não só por ser meu favorito, particularmente eu acredito na classificação do Cruzeiro às quartas de final da Copa Libertadores. Porém se ela vier, é bom qu se diga, será por causa do jogo da volta, porque no da ida o time treinado por Marcelo Oliveira cometeu erros não só de ordem técnica, mas também de postura. Erros corrigíveis, diga-se de passagem.



Empatar fora de casa é bom para times medianos. Não é o caso do Cruzeiro. Ou pelo menos não deveria ser. Porque o Cruzeiro está acima da média. Se não muito acima da média do futebol latino-americano como um todo, com certeza acima da média do futebol praticado no Brasil. Tanto é que ganhou o Brasileirão 2013 da forma que ganhou. Portanto aquele discurso de "empatar fora de casa tá bom" não se aplica ao Cruzeiro (no Brasileirão não se aplica). Ou não deveria se aplicar. Porque se tem um time no país capaz de trocar passes envolventes no campo ofensivo, esse time é o Cruzeiro. Talvez o único.

O que se viu na prática, em Buenos Aires, nesta quarta-feira, no entanto, foi uma equipe incapaz de prender a bola no ataque, incapaz de trocar passes e girar o jogo com paciência, à espera e em busca dos espaços (claro, sem tirar os méritos defensivos do San Lorenzo). Em especial na primeira metade do primeiro tempo, a bola queimou nos pés cruzeirenses. Muita pressa e pouco controle, pouco autocontrole, o que resultou em vários erros de passe, inclusive nas obsessivas situações de contra ataque.

Priorizar o contra ataque com unhas e dentes, aliás, não pode ser o caso da Raposa. O Cruzeiro não precisa, ao jogar fora de casa, se fechar em função "apenas" do contra ataque. Sem tirar os méritos de quem o faz com disciplina e talento. Pelo contrário. Mas, convenhamos, o Cruzeiro tem condições de propor, ou melhor, de impor, seu estilo de jogo também como visitante. Veja bem, não estou falando que o Cruzeiro é o Bayern, que joga contra tudo e contra todos da mesma maneira. Não é isso. No caso específico de ontem, todavia, as condições para o Cruzeiro ditar o ritmo da partida eram mais do que favoráveis.

Talvez por nervosismo, ou por estratégia do treinador, não sei, em vez disso, em vez de trabalhar a posse de bola no território inimigo, da intermediária em frente, nas proximidades da área adversária, a passes curtos, a Raposa se fechou lá atrás com duas legítimas linhas de quatro (Éverton Ribeiro e Willian wingers, alinhados aos volantes Henrique e Lucas Silva) e priorizou o contra golpe, que, na prática, não se materializou. Quem sabe, se Ricardo Goulart estivesse no banco e Dagoberto no campo por mais tempo, essa transição ofensiva teria tido outro desfecho, devidos às características dos atletas e da estratégia em vigor. Mas essa é outra discussão, que mereceria outro post.

Enfim, acho que o Cruzeiro vai passar para a próxima fase (na verdade acho que vai ser o campeão, né). É provável que Fábio não leve nenhum gol no Mineirão, e que a turma da linha faça ao menos um em Torrico. Ou dois. Três. Vai saber. Pois o time do Cruzeiro é acima da média, e justamente por isso precisa impor seu estilo de jogo, tanto em BH quanto longe de lá. Não pode se apequenar no pensamento de que empatar fora de casa está bom, ou de que jogar por uma bola seja o caminho mais indicado. A Raposa tem futebol para mostras suas garras, independente do terreno.

Um comentário:

Marcelo Santos disse...

Cê tá ruim de previsão e análise hein rs. Esse Cruzeiro sempre foi enganador. Cê se empolga muito e perde a visão periférica e crítica das coisas. Cê dizia que o Pato ia ser um cracaço e tal. Cadê? Disse que o Cruzeiro ia superar todos os adversários, que era o melhor e tal... Cadê? rs. Vamos melhorar essa crítica hein rs