domingo, fevereiro 04, 2007

Se beber, não dirija

Se arrependimento matasse, o suicídio coletivo seria inevitável no Morumbi. Especificamente por parte de seus dirigentes. O SFPC perdeu um dos maiores ídolos da história do time, e um dos maios jogadores da história do clube, na posição: Mineiro. Que, na minha opinião, está entre os três melhores volantes do futebol mundial atual, sem dúvidas. É o Falcão Negro. Tudo bem, tudo bem. Exagero e, principalmente, brincadeira da minha parte. Brincadeira em realção ao ídolo colorado e Rei de Roma. Em relação aos Top 3, falo sério. Agora, que ele está sendo insubstituível, está. E é aí que entra o arrependimento dos dirigentes. Eles, os que dirigem o São Paulo, tinham a alternativa/solução em casa: Denílson, vendido para o Arsenal, por 4 milhões. Euros ou reais? Não importa. 4 milhões. E o menino é novo. Muito gramado pela frente. E agora? Como dirigir sem volante? Josué é só um. E os coringas do tricolor não dão conta do recado. Sei que o Espanhol, de Barcelona, emprestou Fredson até o meio do ano. Porém, é evidente a barbeiragem dos dirigentes são paulinos.

Hoje, por exemplo, o coringa da vez foi André Dias, jogando à frente da zaga. Teoricamente, o time de Muricy jogou com 4 zagueiros em campo. Sobre o jogo? 'Água mole, pedra dura, tanto bate até que fura.' 'Quem não faz, leva.' Qual dos dois ditados retratam a partida? Para o São Paulo, prevaleceu os dois. Noroeste 1 x 1 São Paulo.

Um comentário:

Renan Turra Silva disse...

São Paulo erra pouco, mas errou realmente em vender o Denílson. Pensaram que não havia problema em vende-lo... deu no que deu.