quinta-feira, junho 05, 2008

Confissão de um torcedor

Confesso que o Fluminense não é meu clube de coração.

Mas ontem, contra o Boca, torci muito pelo Flu.

Torci, vibrei, gritei.

Chorei.

Como se o Fluminense fosse o meu clube do coração.

Na hora do gol de empate, do gol de falta de Washington, não aguentei.

Foi a festa da torcida, foi a vibração dos jogadores, foi a narração empolgante, foi o momento do jogo, foi a cerveja que tomei, sei lá, foi tudo isso e um pouco mais. Foi emocionante. Foi demais!

Feito bola no gramado, as lágrimas rolaram.

Sofri pelo Flu.

E sorri pelo Flu.

Como se o Flu fosse meu clube do coração.

Quando o Coração Valente empatou a partida, o meu amoleceu. Não me segurei.

E na hora percebi que meu coração boleiro é igual de mãe. Que meu clube de coração não se sinta traído, mas no meu sempre caberá mais um.

Que meu clube de coração não se sinta traído, mas, confesso: minha paixão clubística não é maior que meu amor pelo futebol.

7 comentários:

Bruno Zanette disse...

Brilhante texto Carlão! Excelente, sensacional. Tb torci bastante pelo Flu, principalmente pelo comandante que possui: Renato Gaúcho, eterno ídolo gremista. Vingou o Grêmio, marcou os mesmos 5 gols que o tricolor havia sofrido na final do ano passado e agora vai com tudo pra cima da LDU. O jogo, claro, não será fácil, mas agora tenho muita confiança e esperança nesse tricolor tb!
Abraço!

Zaca disse...

Muito bom Carlão, me emocionei lendo o texto e relembrando que também me emocionei com a festa e o jogo que o Flu fez. Confesso que com uma pontinha de inveja, sabendo que se aquele fosse o meu tricolor eu estaria aos prantos e não apenas com os olhos marejados.
De qualquer forma me sinto representado por Renato e Roger (poucos lembram que o zagueiro, a época lateral, foi campeão da Libertadores pelo Grêmio também).
Não sei se minha paixão pelo futebol é maior do que a pelo Grêmio, mas admiro que consigas ter esse dicernimento, sendo assim racional e não passional como eu.
Parabéns de novo pelo texto e um forte abraço.

Vinicius Grissi disse...

Realmente o jogo foi emocionante.

Mexeu com o sentimento de todos. Mesmo os que não levam o Flu no coração.

Anônimo disse...

Grato a todos os tricolores de todas as cores e origens!

FLUMINENSE => Cala-te Boca!

FLUTEBOL

Buck disse...

Apesar de todos saberem que o único tricolor é o Fluminense FC (Nélson Rodrigues), a torcida dos demais times de três-cores é sempre bem-vinda!

Belo texto. O amor pelo futebol realmente faz coisas que a própria razão deconhece.

Saudações Tricolores

Fabrício disse...

Grande Cadu, muito bom o texto.
Torci pelo FLU por ser tricolor, por ter o Renato e o Roger, por ser um clube novato em Libertadres e por estar enfrentando o Boca.
E percebi que teve mais colorados torcendo pelos xeneizes que Gremistas, para minha surpresa.
Buenas, para a alegria geral da nação teremos uma finalíssima de Libertadores no Maracanã pela primeira vez na história.

Grande abraço.

LEO/FLU disse...

Que texto foda, cara!