quinta-feira, junho 19, 2008

O Brasil dentro de campo

Ao final da partida, tanto Adriano como Luis Fabiano reclamaram que a bola não chegou lá na frente. E não é de hoje que os centro-avantes da Seleção de Dunga se queixam disso. Também pudera, com apenas um meia, fica difícil. No dia em que o time tiver dois meias de criação, os atacantes brasileiros não ficarão tão isolados.

Eles, os atacantes, também sentem-se abandonados porque os laterais não apoiam. Sem jogadas de linha-de-fundo, fica difícil. Para que os laterais avancem, basta colocar Gilberto Silva ou qualquer outro primeiro volante para fazer papel de terceiro zagueiro, como Toró faz no Flamengo. Quando Léo Moura e/ou Juan vão ao ataque, Toró se posiciona entre Fábio Luciano e Ronaldo Angelim. Com Gilberto Silva ou qualquer outro primeiro volante fazendo o terceiro zagueiro, entre Lúcio e Juan, Gilberto e Maicon teriam mais liberdade para ajudar os companheiros lá na frente.

E os companheiros lá da frente também agradeceriam se o meio-campo fosse mais criativo. Com Anderson, inegavelmente, a equipe melhor se comportou. Se pela esquerda o meio-campista do Manchester United refinou a saída de bola, o mesmo não pode-se dizer de Mineiro. Se em seu lugar estivesse Hernanes, ou Elano, a qualidade do passe, fundamento básico do futebol, seria superior.

E por fim, temos que admitir, Júlio Baptista se sai melhor com a camisa 10 do Brasil do que Diego.

3 comentários:

Filipe Araújo disse...

qual é o meia de ligação do brasil?

abrazo!

http://gambetas.blogspot.com

Zaca disse...

Que Brasil e Argentina o que...
Jogo mesmo vai ser Portugal e Alemanha!

Adriano Assis disse...

Só para ver como Dunga convoca mal ou para ver que o futebol brasileiro está falido. Júlio Baptista com a camisa 10.

É o fim dos tempos, espero que seja dos tempos do Dunga a frente da seleção