quarta-feira, maio 13, 2009

Paradinha é malandragem

Antes de Sport e Palmeiras começarem a cobrar os pênaltis, o juíz Carlos Chandia chamou os capitães e avisou: não vale paradinha. Por isso não houve nenhuma.

Perfeito.

A paradinha existe somente no Brasil porque somente no Brasil existe o glorioso jeitinho brasileiro.

Bater pênalti com paradinha é bater com jeitinho.

Este artifício, que se disceminou pelo país de uns anos para cá, é um indicador típico de como a sociedade reflete no futebol.

A paradinha é uma tentativa explícita de lograr, de enganar, de trapacear. Ou seja: é a malandragem brasileira.

E quem a defende sob o argumento de que ela é legal, interpreta a lei com cabeça de brasileiro.

12 comentários:

Raissa Póvoa disse...

Já eu concordo com a paradinha. O batedor está ali para fazer o gol e o goleiro para impedir. Cabe a cada um decidir que tática utilizar.

Marcelo Bloc disse...

Acredito que não havia visto, até aqui, alguém ir tão diretamente ao ponto, no teor certo, com as justificativas corretas.

André Augusto disse...

Carlão, eu já hava me manifestado contra a paradinha aqui: http://opiniaofc.blogspot.com/2008/07/paradinha-covarde.html

É um artifício de malandragem, que mesmo sendo a maior penalidade sofrida em um johgo, tira quase que completamente as chances de intervenção do goleiro, que está lá pra evitar o gol.

Fernando Badô disse...

Caro Carlão, descobri seu blog graças ao comentário que você deixou no blog do Juca Kfouri hoje. Gostei muito. Bem escrito, bem editado, super bem trabalhado, com opiniões racionalizadas.
Como está sobre a paradinha,. posta de forma sóbria e coerente. Fica até consrangido den discordar de você. è calçro que a malandragem deve ser sempre mal vista, espeicalmente nos setores sérios da sociedade, ams ahco que no futebol vale.
Veja, melhor uma paradinha do que a "malandragem" da cotovelada no escanteio, ou a provocação ao pé do ouvido.
No mais, parabens. Salvei seu blog nos favoritos! Falaremos mais vezes! Um abraço!

KK disse...

Carlão, discordo de você. O "jeitinho brasileiro" é um elemento - construído - da nossa identidade nacional.

A paradinha existe aqui, é verdade, mas isso não pode ser tratado de maneira perjorativa.

As regras estão aí, sim, mas elas são genéricas, e o futebol jogado no mundo não é o mesmo - o futebol inglês parece até outro esporte, com campos reduzidos e aquelas jogadas de lançamentos, típicas do S. Paulo do Muricy.

Acho que é importante entender a particularidade de cada região ou país. O Brasil é o único lugar em que tem "leis que não pegam", mas em vez de bater de frente e dizer que a nossa sociedade está errada, o melhor seria compreender, aceitar e adaptar.

Mas numa Libertadores, por exemplo, concordo que seria perfeito coibir o movimento...

Vinicius Grissi disse...

De fato, a paradinha só acontece no Brasil. E já passou da hora da CBF tomar uma atitude e começar a coibi-la.

Anônimo disse...

Brother, falar em jeitinho brasileiro, analisar a lei com "cabeça de brasileiro" é hipocrisia, é preconceituoso e de muito mau gosto. E te digo meu amigo, o futebol é pura malandragem, um drible é uma malandragem, uma bola batida com efeito é uma malandragem, você não pode condenar a tal paradinha com o argumento de que ela é "uma malandragem".
E eu sou contra a paradinha por achar uma baita frescura, e ponto.

só consegui comentar anonimamente, mas me chamo Rafael e ta aí meu email caso vc queira me responder: rafaelpraise@gmail.com

Yuri disse...

Concordo e discordo simultaneamente. A paradinha é sim interessante nos 90 minutos. Ora, você estava na eminência de concluir em gol e alguém te derruba; não satisfeito, você ainda tem que enfrentar um goleiro em pé de igualdade? Como disse o Júnior "Capacete", penalti é para o batedor e não para o goleiro.

No entanto, concordo sim com isso nas penalidades extra-tempo regulamentar.

Agora, você força demais ao dizer sobre o "jeitinho" brasileiro... A análise pode ser revista com carinho, pois não está dizendo muita coisa. Recomendo algum livro do Roque de Barros Laraia. Abraços.

Alex Alvarez disse...

Concordo, Carlão. A paradinha é muito desleal com o goleiro. Se o goleiro não pode dar o passinho à frente, o jogador não deveria poder fazer a paradinha.

Gostaria de ver os espertinhos tentando cobrar pênalti como o Toti.
http://www.youtube.com/watch?v=VNQMJi5hJgo

Vinicius Duarte disse...

Concordo em 100% contigo, Carlão, inclusive na FELICíSSIMA comparação com o "jeitinho" e a habitual burla e a "interpretação extensiva" às leis aqui no Brasil.

Se alguém quer realmente ver um pênalti batido com "malandragem", mas sem sacanagem (paradinha é SACANAGEM, não malandragem!), veja o velho Djalminha batendo de "cavadinha". Isso é o exemplo de cara que improvisa, dá a cara a tapa, arrisca tudo e dá espetáculo.

A sacanagem da paradinha só não aconteceria se fosse permitido ao goleiro adiantar-se até um certo limite, como no Handebol.

No handebol a "paradinha" é muito utilizada, e não é sacanagem. Só que, se não me falha a memória, só pode ser feita 2 ou 3 vezes no tiro de 7 m. (corrijam-me os handebolistas se eu estiver errado!)

Cultebol disse...

De fato, concordo que a paradinha é "jeitinho". Mas vejo como um drible, uma forma de enganar o goleiro, sim, mas legítima. O drible faz parte do futebol. Por isso, acho que esse é um "jeitinho" do bem.

Anônimo disse...

diSSeminou, burro!