segunda-feira, agosto 24, 2009

O sopro da TV aberta no apito

Quando ouvi esta história resolvi não publicá-la porque ela foi contada em off, mas como Mauro Cezar Pereira tocou na ferida no Bate-Bola desta segunda-feira, resolvi externá-la.

Mauro entende que seja bem possível que o árbitro se deixe influenciar pela presença do comentarista de arbitragem da TV aberta (a fenomenal formadora da opinião pública brasileira), especificamente no que diz respeito às faltinhas que na verdade não são faltas mas que aqui no Brasil, e somente no Brasil, são assinaladas.

Mauro está certo.

Leonardo Gaciba disse uma vez num curso (Kick Off) que a presença do comentarista de arbitragem influencia na performance do juiz. E citou José Roberto Wright da TV Globo. Quando sabe que Wright está comentando, por exemplo, Gaciba não deixa o jogo correr como gostaria para não ir contra os comentários do ex-árbitro.

Se não marcar as faltinhas de mentira, que o comentarista da tevê diz que são de verdade, quem tem de aguentar as críticas, as cornetadas e a fúria da torcida, muitas vezes agressiva e nociva, é quem está apitando no campo, e não quem está na cabine.

Na hora não concordei, achei um absurdo. E ainda acho. No entanto é compreensível. E deve ocorrer com diversos árbitros.

10 comentários:

Alexandre disse...

Carlão,

Nunca tinha ouvido falar disso.

Na verdade acho que a presença de um comentarista de arbitragem em transmissões é uma tremenda bobagem na minha opinião.

Isso só aumenta a importância que damos aos árbitros.

Abraço

Carlos Pizzatto disse...

Assino embaixo.

Barco disse...

Carlão, a lógica do que falou faz sentido e não duvido nada que seja o que aconteça nos campos de futebol, visto o enorme despreparo da arbitragem no esporte.

Porém, está tudo errado. Niguém foi até o Gaciba, por exemplo, e colocou uma arma na cabeça dele, obrigando-o a se tornar árbitro. Escolheu a profissão porque quis, sabia da responsabilidade e das desvantagens. O árbitro, se faz opção por essa carreira para sua vida profissional, precisa ter culhões. Fazer o que é correto e justo. Atuar para um comentarista é atitude de um homem covarde.

Yuri disse...

O pior é que muitos de nós, vemos que alguns comentaristas (não só de arbitragem) são completamente despreparados.

Isto é uma vergonha, existem alguns comentaristas na concorrência que não mereciam nem ser contra-regra de equipes de transmissão esportiva.

Grande Abraço, Carlão.

Cézar Vouguinha Cunha disse...

Carlão!
Parabéns pelo assunto abordado e que com certeza é a pura realidade.
Vários árbitros se omitem apenas para agradar os ex-árbitros, que já fizeram cada besteira em campo e que agora só querem saber de julgar os demais!

O futebol de botão é fantástico! Parabéns pelo trabalho! Abraços!

Gustavo Naccari disse...

Adorei seu blog
Cada vez fica melhor.

ps: O preto de fundo incomoda Um POUCO a vista. Acho que um cinza escuro ficaria muito legal!!!

abraços

www.jogodocraque.blogspot.com

Tiago Mattos disse...

Carlão, que legal que o Kick Off contribuiu para as suas discussões de futebol. Seu blog é muito bom e o seu conhecimento do esporte é invejável.

Fico, realmente, envaidecido.

Abraços.
tg

gerson disse...

Se os árbitros são influenciáveis pelo comentaristas, imagina então o peso de outros fatores...
tem que ser muito inocente pra achar que a arbitragem é a única instuição séria no Brasil.
e apitar pra torcida, essa do Gaciba me rachou a cara.Parece político.

Michel Antonio Vieira disse...

Dae cara, acompanho o seu blog diariamente...muito bom..
já sou seu seguidor...
seja o meu também..
o meu blog é www.paixao-alvinegra.blogspot.com
Abraços

Álvaro disse...

Eu sabia que eles ligavam no intervalo para gente que estava acompanhando os comentários.

E o Mano já insinuou que o rádio que eles usam pode estar ouvindo pessoas externas ao jogo.

De qualquer forma, por que comentarista de arbitragem? Para falar que "o arbitro tem de segurar o jogo"? Induzindo claramente o juiz a intervir na forma que a partida é jogada?

Ou quando falam: "o combinado foi que esse tipo de lance seria punido". Uai?! Esse "combinado" vale mais que a regra?