sábado, setembro 15, 2007

Quarentinha, alvinegro eterno

No dia 15 de setembro de 1933 (ano da profissionalização do futebol no Brasil), nascia em Belém, Waldir Cardoso Lebrego, o Quarentinha.

Jogou no Paysandu, Vitória-BA, Botafogo, Bonsucesso e América de Cáli.

Centro-avante, goleador nato, Quarentinha é o maior artilheiro da história do Botafogo. São 308 gols em 446 partidas. Fez parte do Glorioso Botafogo dos fins dos anos 50, início dos 60, ao lado de Didi, Garrrinha, Nilton Santos e Zagallo.

Não costumava comemorar seus gols, o que irritava a torcida do Glorioso. "Eu era pago para marcar gols. Não fazia mais que minha obrigação".

Foi artilheiro do Campeonato Carioca por três vezes consecutivas: em 1958, com 19 gols, em 1959, com 25, e em 1960, com outros 25.

Tem a melhor média de gols pela Seleção Brasileira: 17 gols em 17 jogos.

"Quarentinha, eu o vi jogar muitas e muitas vezes. Era um chutador temível, um atacante de respeito, que fazia tremer os goleiros, fossem quem fossem. Tinha na canhota o que, então, se chamava um canhão. Chutava muito forte, principalmente, bola parada. Era de meter medo. Nos jogos Botafogo-Santos, era ele, de um lado, o Pepe, do outro. Ai de quem ficasse na barreira." (Botafoguense Armando Nogueira)

"Sempre que o via voltando da área, cabisbaixo, eu o imaginava a parodiar, bem baixinho, os versos de Manuel Bandeira: "Faço gol como quem chora / Faço gol como quem morre." Era uma flor de melancolia o Quarentinha. Que Deus o tenha." (Mestre Armando Nogueira)

Quarentinha morreu no dia 11 de fevereiro de 1996.

2 comentários:

gerson sicca disse...

O cara metia gol mesmo. Mas o Nilma vai fazer mais no Inter...

Guilherme disse...

Não o vi Jogar Mas ja me Disseram Que Fazia Muitos Gols. Muito Bom Relembrar e Informar aos Que Não Viram Grandes Jogadores do Brasil e do Mundo.