quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Três variações táticas no Mineirão

Adilson Batista sabia que teria pela frente um ferrolho boliviano. Por isso aderiu aos três atacantes desde o início. No entanto, após a partida, o treinador admitiu, na entrevista coletiva, que não pensa em efetivar este esquema, pois entende que os jogadores brasileiros não são tão responsáveis taticamente. Ainda.

O Cruzeiro que foi a campo estava postado num 4-3-3 um pouco diferente dos habituais. Geralmente, quando se atua neste sistema, há dois pontas e um centroavante. Contudo, no caso da Raposa, se via apenas um ponteiro (Thiago Ribeiro). Kléber e Wellington apareciam mais juntos, próximos à área. Eventualmente um dos dois abria, nem tanto assim, pela esquerda, o que configurava um 4-3-3 assimétrico no ataque. Quem mais ocupava aquela faixa era o ofensivo Diego Renan.

No meio-campo, Elicarlos na cabeça-de-área, Henrique na meia direita e Marquinhos Paraná na meia esquerda completavam a equipe.



Aos 5 segundos do segundo tempo, um jogador do Potosí foi expulso. Imediatamente Adilson colocu Guerrón no lugar de Elicarlos, e, mesmo com o placar registrando 4 a 0, a Raposa pôs as garras de fora e foi pra cima.

A partir daí o Cruzeiro se organizou no legítimo 4-2-4, com dois pontas (Thiago e Guerrón) e dois atacantes por dentro (Kléber e Wellington). Foi uma verdadeira blitz. Ataque contra defesa, sem dó nem piedade.



Aos 20 da segunda etapa, o técnico cruzeirense promoveu outra alteração: colocou Bernardo na vaga de W. Paulista, e o time brasileiro passou a jogar no 4-3-3 em triângulo, com dois volantes, um meia centralizado, dois ponteiros e um centroavante (Kléber, que logo em seguida foi substituído por Eliandro).

As investidas pelas beiradas continuaram frenéticas, sem falar no apoio dos laterais, com Jonathan entrando mais em diagonal do que pelo corredor. E coube a Bernardo cumprir o papel de articulador. Resultado: mais três gols nos minutos finais, justamente com Eliandro, Bernardo e Guerrón, os três que vieram do banco.



Muitos apontam, inclusive eu, o Corinthians como favorito à Libertadores, pela qualidade do elenco e da comissão técnica que possui. Entretanto é preciso lembrar que este grupo do Cruzeiro que está aí, está mordido pelo ano passado, está mais calejado, experiente, e vem com tudo em busca da taça.

E além disso, este grupo do Cruzeiro mostrou que conta com algumas variações táticas interessantes.

5 comentários:

Gilmar disse...

AB está inovando o futebol brasileiro...
ele é o melhor do Brasil na minha opinião e o Cruzeiro tem tudo pra chegar !

Rodrigo Schaefer disse...

não vi a entrevista do ab, mas me pareceu que qndo o cruzeiro defendia, virava um 3-5-2 , com eli carlos fazendo o papel de 3º zagueiro

Rodrigo Schaefer disse...

3-4-3 pra ser mais exato

JPFOX disse...

Desde o final do ano passado o AB está bem mais ousado. Parece que ele quer realmente fazer algo inovador no conservador futebol brasileiro. Bom para nós cruzeirenses.
Inté mais...

SEO Expert Team disse...

Com relação ao Corinthians, não acredito que ele vá lutar pelo título da Libertadores este ano.

Já o Cruzeiro, me agrada bastante esta equipe e com a permanência do Kléber o time ganhou ainda mais força no setor ofensivo.

Aproveito o ensejo e deixo uma dica de um novo lugar para discussão sobre futebol:

Futebol em geral - fórum de futebol

Tudo sobre o Cruzeiro - fórum do Cruzeiro