segunda-feira, março 08, 2010

Dois ou três zagueiros? Eis a questão

Muito se falou no início da temporada que Ricardo Gomes gostaria de implantar o 4-4-2 no São Paulo. No entanto o que se vê na prática é um 4-3-3 um pouco atípico.

Trata-se de um esquema com três atacantes, a meu ver, assimétrico. O meio-campo é em triângulo (dois volantes e um meia). Porém é no setor ofensivo que não existe simetria.

Em regra, quando se joga com três homens na frente, o ataque é composto por dois ponteiros e um centroavante. Mas no caso do São Paulo, ao menos na partida deste domingo diante da Ponte Preta, Marcelinho, e principalmente Dagoberto, não atuaram como pontas de ofício. Era comum ver, em especial o camisa 25, aparecer pela faixa central e até mesmo cair pela esquerda, próximo ao 11.



Pode parecer paradoxal, mas imagino que esta liberdade de Dagoberto seja uma obrigação, para que o setor do meio fique recheado, quando o time está sem a bola. Raras vezes ele marcava o lateral-esquerdo adversário.

O próprio Marcelinho também não ficava preso à ponta esquerda. Embora tenha permanecido por ali na maior parte do primeiro tempo, ora ele invertia de posição com Dago, ora aparecia por dentro.

Na segunda etapa Ricardo recuou Richarlyson e trocou a linha de quatro por três zagueiros, e a partir daí o São Paulo atuou no 3-5-2 com dois volantes (Jean e Hernanes) e um meia (Marcelinho).

Posteriormente Marlos entrou na vaga/posição/função de Dagoberto.



Nesta incerteza de jogar com dois ou três zagueiros, logo, logo Ricardo deve traçar uma cara definitiva para a equipe. Apesar da vontade inicial do treinador, é provável que o esquema tático que impera no Morumbi há anos seja mantido.

Na minha opinião um 4-3-3 com Dagoberto e Fernandinho pelas beiradas, Washington na frente, e com Jean, Hernanes e Marcelinho no meio-de-campo, seria pra lá de pertinente.

8 comentários:

Ramon de Castro disse...

posso confundir mais sua cabeça?
Acredito em um 4-5-1
Apesar do Dagoberto não ser meia, sua função sendo puzada para a faixa central para tentar entrar tabelando ou até enfiar uma bola em condições para Washington o caracteriza como tal.
Marcelinho Paraíba nao tem mais idade nem condição física de ser um ponteiro clássico, e dificilmente se isola em algum dos flacos, portanto a característica de rodízio e movimentação na faixa central pouco antes da área, na minha humilde opinião caracteriza um 4-5-1.

Obrigado..

http://futnaredenet.blogspot.com

Danilo Topera disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danilo Topera disse...

Entra técnico e sai técnico, entra esquema e sai esquema, entra ano e sai ano e o São Paulo continua jogando bola na área!

Abraços!

http://futnaredenet.blogspot.com

Hermes Henrique disse...

Acho legal esses comentários sobre esquema de jogo, como já disse vc tem visão interessante da partida, quanto ao São Paulo Dagoberto trata-se de uma peça importantíssima do Tricolor, pela sua movimentação.

Quini disse...

O Ricardo Gomes quer colocar o São Paulo no "esquema da Copa", porém as peças que o treinador tem em mãos não oferece possibilidade para tal formação.

Rafael Gomes disse...

Acabei de postar no meu Blog a entrevista que fiz com o comentarista da Band, Neto. Passa lá e dá uma olhada...!
http://opinafutblog.blogspot.com/

Abraço!

Gabriel Campi disse...

O Ricardo Gomes tem várias opções, Carlos, cabe a ele ver a melhor. Acho que um 3-5-2 deixaria o time bem ofensivo, mas vulnerável atrás. É uma incógnita, definitivamente.

Abraços.

Visite:

www.blogfutebolnaveia.blogspot.com

Guilherme disse...

Ao contrário do que o Ramon Castro disse eu não acredito em uma tática ainda mais truncaa do que a atual, até porque esse 433, é mais um 442, disfarçado!!
Mesmo sendo torcedor do São Paulo ainda gosto mais de ver o time do Santos que joga leve e pra frente.
São Paulo
Santos