segunda-feira, junho 15, 2009

Os erros da defesa contra o Egito

Júlio César é humano, não vai salvar o Brasil sempre.

O elogiado sistema defensivo brasileiro só é elogiado por causa dos números obtidos nas Eliminatórias (apenas 6 gols sofridos), e quem garante dentro de campo estes dados estatísticos é o camisa 1.

Não que o sistema defensivo da Seleção seja um lixo. Mas ele desliza. O primeiro e o segundo gol do Egito, por exemplo, são muito mais falhas brasileiras que méritos egípcios.



No primeiro, aos 8 da primeira etapa, quando a bola é lançada às costas do adiantado Kleber, quem deveria chegar na cobertura era Felipe Melo ou Juan. Porém ninguém chega no 22. Lúcio tenta reparar o equívoco e sai de seu lugar para combater Aboutrika, entretanto deixa espaço para Zidan entrar e cabecear livre à queima-roupa.

No segundo o Egito chega ao fundo para cruzar (coisa que o Brasil não faz) e os defensores brasileiros acompanham em linha, recuam demais, ficam de olho apenas no atleta que está com a bola, e deixam a entrada da área livre. Resultado: o toque vem para trás para a chegada de alguém, no caso Shawky, que fuzilou de direita.

Já o terceiro gol foi consequência do segundo. Com o Brasil ainda meio grogue, nocauteado em pé, a dupla Aboutrika-Zidan foi pra cima e se aproveitou da sonolência da Seleção.

3 comentários:

Rafael Andrade disse...

A grande maioria das jogadas egipcias foram pelo lado direito, sobre o fraquissimo Kleber. Ele não marca e não apoia. Não ajuda no ataque e toma bola nas costas toda hora. Sem condições...

Vinícius Franco disse...

Como eu disse no meu blog: quando o Julio Cesar não faz milagre, os pontos fracos da defesa aparecem.

Anônimo disse...

top [url=http://www.001casino.com/]free casino bonus[/url] brake the latest [url=http://www.casinolasvegass.com/]casinolasvegass.com[/url] unshackled no store hand-out at the leading [url=http://www.baywatchcasino.com/]no put reward
[/url].