terça-feira, junho 26, 2007

Outros quinhentos

Todo diabólico santo ano, entre um semestre e outro, os garimpeiros europeus pintam pelo Brasil e extraem as nossas maiores riquezas, dizimando os sofridos times de futebol e o sofrível Campeonato Brasileiro.

Antigamente, quandos as jóias iam para à Europa, já iam lapidadas.

Hoje em dia, os monopolizadores dos brilhantes diamantes os exploram ainda brutos (embora nenhum seja bruto entre as quatro linhas). Os grandes talentos vão para lá com dezesseis, dezessete anos de idade, quando não vão com menos.

Denílson, ex-são-paulino, belíssimo jogador, estilo de volante que todo mundo quer (defende e ataca com a mesma eficiência) chegou ao Arsenal com dezoito anos. Já conquistou seu lugar na equipe londrina.

Lucas, outro sensacional voltante (aliás, formariam, Lucas e Denílson, uma baita dupla), foi para o Liverpool.

O corintiano Willian, bem... Será que ele fica ou vai para o Benfica? Parece que não fica. Já tirou até foto segurando a camisa do time português.

A corrida por Alexandre Pato parece estar perto do final. Faltando poucas voltas, Chelsea e Milan se distanciaram dos outros concorrentes, pintando como favoritos para ficar com esta jóia das raras, raríssimas.

E o quê nós, podres latinos-americanos, podemos fazer?

Pouca coisa, quase nada ou nada.

Faz mais de quinhentos anos que somos vítimas da devastadora exploração européia, dentro, fora e em todos os campos. E o mais que provável é que a exploração continue pelos próximos quinhentos anos.

6 comentários:

Danilo Damasceno disse...

Isso acontece por termos dirigentes incopetentes que não consegue comandar nem suas proprias vidas quanto mais o nosso futebol!Carlão desculpa pelo sumiço estou com alguns probleminhas que estão sendo resolvidos e logo logo tudo voltará ao seu devido lugar!Grande Abraço e obrigado pela sua participação no meu blog!

Arthur Virgílio disse...

Eduardo Ratinho também deve seguir o mesmo caminho de William. Aliás, nunca a seleção sub-20 nunca estev tão "estrangeira".

Nós sul-americanos temos que continuar produzindo jogadores e sendo alvo da moeda muito forte dos europeus. Infelizmente, somos mãos-de-obra baratas.

carlão disse...

Mão-de-obra quase escrava, eu diria.

André disse...

Não é por aí. Desculpe mas nada a ver. Já ouviu falar em "crescer e aparecer"? A Amércia Latrina que consiga se desenvolver, e, uma vez desenvolvida, conseguirá segurar nossos "craques". Chega dessa história de eterna vítima dos gringos, chega... Essa visão de mundo é uma das responsáveis pelo nosso atraso. Quando o Brasil arregaçar as amngas de verdade, será uma potência, mas enquanto ficar culpando terceiros por seus fracassos, nunca sairá do lugar, ou melhor, avançará, mas a passos de lesma.

André disse...

PS: pelo amor de Deus. Não é "fazem" mais de 500 anos, mas FAZ 500 ANOS!

carlão disse...

Tem toda razão (no segundo comentário). Ato falho e feio da minha parte. Já arrumei. Gracias.