domingo, setembro 28, 2008

Internazionale sucumbe ao talento rossonero

O Milan de Carlo Ancelotti e a Internazionale de José Mourinho jogaram com sistemas táticos idênticos:


O que fez a diferença no clássico deste domingo foi a qualidade técnica do time rubronegro. Nome a nome, o Milan é bem melhor que a Inter. E além disso, o coletivo rossonero esteve mais afinado nesta partida.

Quem fez também a diferença foi o trio ofensivo brasileiro. Kaká e Pato deram muita mobilidade à equipe. E Ronaldinho, mesmo fora de forma e lento, foi decisivo. Aos 36 minutos do primeiro tempo, após bela jogada tramada com Kaká, ele marcou, de cabeça, seu primeiro gol com a camisa do Milan. Primeiro gol, logo contra o arqui-rival. Logo o gol da vitória.


Ronaldinho sabe o quão prazeroso que é jogar bem, que é marcar gols, que é vencer. Hoje, na comemoração do gol, seus olhos brilharam. Ele ficou bobo. Parecia uma criança deslumbrada, correndo sem direção, sob os olhares atentos dos mais de 80 mil torcedores que lotaram o Giuseppe Meazza.

Quem sabe, depois da atuação deste fim de semana, Ronaldinho queira voltar a ser o velho Ronaldinho, aquele que jogava tão bem, que marcava vários gols, e que tanto vencia.

2 comentários:

André Augusto disse...

Carlão, eu discordo de vc. Nome a nome, acho o elenco interista melhor e com mais opções no banco. A má jornada de Ibrahimovic, Quaresma e Mancini contribuiu para a ineficiencia dos nerazzurri após o belo gol sofrido.
Kaká e Pato fizeram partidas razoáveis e Ronaldinho, além do gol, pouco produziu.
Ancelotti tratou logo em retrancar a equipe (como lhe é de costume) e o Milan administrou bem a vantagem.

Em tempo: esse Cambiasso é um baita volante, jogou mto hj!

carlos eduardo pizzatto disse...

Os três avantes da Inter estiveram muito mal no jogo, mesmo. Pelo lado da Inter, talvez só Cambiasso tenha se salvado.

Mas a comparação que estabeleci aqui é entre os 22 que estão na prancheta, e não entre os elencos.

Nome a nome, dos titulares que começaram o jogo ontem, para mim, no geral, os do Milan são melhores. Júlio César é mais goleiro que Abbiati, é verdade, mas a linha de 4 praticamente se equivale; o meio-campo rubronegro (com Seedorf substituindo Pirlo mais que à altura) tem muito mais talento (e aí eu incluo Ronaldinho e Kaká, e Mancini e Quaresma como meio-campistas) que o meio-de-campo nerazzurri. E na frente, hoje, Ibra é mais centro-avante que Pato. Mas ontem, embora não tenha sido brilhante, o camisa 7 do Milan jogou mais que o 8 da Inter.